Clínica Aille | A pele nos dá sinais…
164
portfolio_page-template-default,single,single-portfolio_page,postid-164,do-etfw,ajax_fade,page_not_loaded,,footer_responsive_adv,qode-theme-ver-10.1.2,wpb-js-composer js-comp-ver-5.1,vc_responsive
 

About This Project

Dentre tantos interessantes, o tema da coluna dessa semana é de extrema importância: as pintas.

As pintas ou sinais recebem o nome científico de nevos e merecem nosso cuidado. Isso porque uma pinta pode se transformar em câncer da pele e também um câncer de pele pode se mostrar inicialmente como se fosse uma pinta.

Mas como saber se a pinta que você possui é benigna ou pode te trazer problema?

A primeira dica é estar atento. Todo mundo tem risco de ter câncer de pele, mas existem pessoas mais suscetíveis. Quem  tem pele clara, cabelos e olhos claros, um familiar com histórico de câncer da pele,  quem costuma se queimar ao sol e ficar vermelho e quem já teve queimaduras solares está no grupo de risco.

Também está quem tem mais de 50 pintas pelo corpo, possui  sardas ou tenha exposição solar freqüente.

Uma dica prática para você reconhecer uma pinta de risco em casa é a regra do ABCDE que avalia 5 características (de risco):

Regra ABCDE das pintas

1 A: assimetria

2 B: bordas irregulares

3 C: cores múltiplas

4 D: diâmetro maior que 5 ou 6 mm

5 E: evolução (pinta em crescimento, mudando de cor, ficando irregular)

AVALIAÇÃO

Pintas que coçam e que sangram regularmente podem ser perigosas e devem ser avaliadas o quanto antes. E as que crescem para os lados, principalmente, também são um problema, porque uma das características do melanoma (câncer de pele) é aumentar o diâmetro da pinta.

Existem crianças que já nascem com pintas – são os chamados nevos congênitos. É muito importante que estes casos sejam acompanhados pelo dermatologista.

Além do autoexame, a visita ao dermatologista é de fundamental importância. Alguns  estudos científicos publicados recentemente comprovaram que, quando o dermatologista vigia rotineiramente as pintas de seus pacientes, acaba detectando o câncer da pele inicial e isso significa a cura para o paciente.

Para esse diagnóstico precoce existe um exame chamado dermatoscopia, que deve ser realizado rotineiramente. Neste exame, as pintas são avaliadas com a ajuda de um aparelho, o dermatoscópio digital (Fotofinder ®), que permite a análise detalhada das estruturas internas da pele, sem nenhum traumatismo ou corte, permitindo a distinção entre lesões benignas, suspeitas ou altamente suspeitas para o câncer da pele, e indicando ou não a necessidade de remoção cirúrgica.

Todas as lesões são fotografadas e suas imagens armazenadas para poderem ser reavaliadas periodicamente e de forma comparativa.

Cuidar da pele é sinal de beleza mas também de saúde: se você tem sinais pelo corpo ou se encaixou no grupo de risco, faça um check up de suas pintas!

* Dra. Alessandra Fraga é dermatologista do Hospital Albert Einstein e da clínica mf. Membro titular da Sociedade Brasileira de Dermatologia, American Academy of Dermatology e European Academy of Dermatology and Venearology. Fez sua especialização em laser na Harvard Medical School e em oncologia cutânea na Itália.

Date
Category
Dra. Alessandra